App

Baixe grátis o app na Google Play ou na Apple Store


Warning: include(menu.php): failed to open stream: No such file or directory in /home/guiadeitaipavaco/public_html/detalhe_materia.php on line 102

Warning: include(menu.php): failed to open stream: No such file or directory in /home/guiadeitaipavaco/public_html/detalhe_materia.php on line 102

Warning: include(): Failed opening 'menu.php' for inclusion (include_path='.:/usr/lib/php:/usr/local/lib/php') in /home/guiadeitaipavaco/public_html/detalhe_materia.php on line 102



Lota e Samambaia

Em 1920, a vetusta sede da Fazenda da Samambaia, a Samambaia-de-Cima, passou à propriedade de José Eduardo de Macedo Soares, e nela residiam sua ex-mulher D. Adélia e suas duas filhas, Marieta e Lota, recém chegadas da Bélgica, onde foram estudar em colégios internos.

Em frente à fazenda, situava-se a casa dos Van Erven, a Samambaia-de-Baixo, construção antiga, autêntica, casa extremamente acolhedora e seus moradores já a habitavam desde o século passado. Eram meus primos, e no meu entender, simpatissísimos: a prima Laura, a doçura em pessoa, a prima Elvira, a bonita e encantadora mãe de Zete, esta recém chegada da Inglaterra onde estudava, Henrique, seu pai, incrivelmente ativo e meticuloso em tudo que fazia e Tia Cafunchinha, a mais interessante personagem de toda a família e também a mais idosa. Era uma casa que traduzia o temperamento de seus moradores: alegres, amáveis, inteligentes e de agradável convívio.

Zete, minha prima, gostava de jogar tênis com a vizinha e amiga Lota. Eu tinha ido passar uns dias de férias escolares, junto com uma tia. Foi quando conheci Lota. A principio, apenas a observava. Achava-a meia diferente das outras pessoas, mas aos poucos, fui prestando mais atenção na pessoa original que ela me parecia ser. Muito engraçada, espirituosa, com respostas rápidas e oportunas, uma voz diferente, meio gutural, meio empostada e um jeito de morder os próprios lábios sempre que dizia alguma frase mais ferina ou alguma observação mais cáustica. Muita coisa eu não entendia, é claro, mas todos riam muito das excentricidades que dela escutavam.

-"Deixem esta criança ser espontânea! Ela quer brincar com lama e observar as formigas, porque impedir ? A infância é tão curta e vocês parecem que não percebem isto ?" Lota clamava em minha defesa.

Os anos passaram. Vi Lota ainda muitas vezes. Sempre muito gentil comigo e sempre me aconselhando a não me deixar dominar com as "besteiras" dos bons modos da educação formal. Dizia que só era válida a educação adquirida pela contemplação da natureza. Bastava observar o procedimento dos animais e procurar imitar seus hábitos. Tudo mais era hipocrisia. Minha tia ficava aflitíssima com os conceitos da Lota e eu adorava a novidade. Vi que ela era uma pessoa diferente, com personalidade definida e nada convencional.

Muito tempo se passou e Lota foi para os Estados Unidos onde passou longa temporada. Houve a Segunda Guerra Mundial. Zete voltou da Inglaterra. Minhas idas à Samambaia escassearam por que tinha terminado o meu colégio e comecei a trabalhar para garantir a minha subsistência, pois havia perdido meus pais e meu avô.

Em 1953 voltei à convite de Laura.Foi quando conheci Elizabeth Bishop já vivendo com a Lota.[Poetisa americana que em 1956 recebeu o premio Pulitzer de poesia. Sucesso de critica e publico.]Eu já falava meu inglês da Cultura Inglesa, e por isso mesmo, tive grande dificuldade de me entender com a Bishop, americana bostoniana. Mesmo assim, eu tentava. O que Lota tinha de expansiva, engraçada, observadora e inteligente, a Bishop tinha de timidez e introspecção. Confesso que não percebi nada de diferente na convivência entre as duas: eram discretíssimas. Na época estavam empenhadas na construção da casa da Lota, nos terrenos da Samambaia, projeto do arquiteto Sergio Wladimir Bernardes, premiado com o Prêmio Internacional de Arquitetura pela Bienal de São Paulo de 1951. O projeto era originalíssimo, pois não modificou o terreno onde foi construída a casa, mantendo o aspecto selvagem da mata nativa e do riacho que corria ao lado da construção. Achei linda a idéia e seu conceito de vanguarda!

Pouco tempo depois, Lota se empenhou a fundo no projeto do Aterro do Flamengo: a criação de um dos maiores parques urbanos do mundo! Sua presença na Samambaia tornou-se rara, pois o trabalho no Rio a absorveu de uma maneira absoluta.

Embora sem formação acadêmica, Lota era dotada de um talento único, uma enorme cultura artística acumulada em cursos avulsos feitos no exterior, uma compreensão estética contemporânea realmente rara, e, com essa bagagem adquirida autodidaticamente estava apta a exercer qualquer função dentro daquele universo restrito.

Carlos Lacerda, o governador do Rio de Janeiro e amigo particular de Lota, seu vizinho na Samambaia, soube aproveitar os talentos que ela possuía e deu-lhe a excepcional oportunidade de realizar seu sonho, que era transformar o grande aterro onde seriam construídas oito pistas para carros e veículos de transportes coletivos no Parque do Flamengo, imenso local para lazer além da introdução de imensa área verde nas margens da Baia de Guanabara. Era um projeto audacioso mas de grande apelo social, pois proporcionaria uma área de diversão e de atração turística à cidade, a todas suas classes sociais, principalmente às menos favorecidas. Para realizá-lo, contou com a colaboração de Afonso Reidy e Roberto Burle-Marx, entre outros. A chefia do projeto foi entregue à Lota e isto trouxe-lhe grandes contrariedades e dificuldades criadas por muitos funcionários da administração pública, os quais não aceitavam ser chefiados por uma mulher. Lota não se intimidou e lutou ferozmente defendendo o grande projeto.

Lota e Elizabeth Bishop tiveram, em comum, uma infância e uma adolescência sofridas e solitárias. Bishop, privada da convivência materna pelas condições precárias da saúde mental de sua mãe e orfandade do pai, cedo conviveu com a solidão. Lota, filha de um casal desestruturado, muito cedo foi entregue à formação de colégios internos no exterior, tendo desenvolvido uma personalidade egocêntrica precoce, cujos parâmetros ela mesmo estabeleceu e aprimorou. Sua inteligência privilegiada foi o suporte que estruturou sua forte personalidade. Foi a intelectual mais brilhante que tive a oportunidade de conhecer. Autodidata por excelência, com sua formação cosmopolita, falando fluentemente inglês, francês e português sem o menor sotaque, tinha enorme facilidade de comunicação. Apesar de toda a bagagem cultural acumulada, principalmente na área das artes visuais, Lota tinha uma extraordinária noção de autocrítica que a fez hesitar em aceitar a direção geral da execução do projeto do Aterro do Flamengo, um dos maiores parques urbanos do mundo! Custou muito a aceitar o convite de Carlos Lacerda.

E ajudava pessoas humildes nas quais vislumbrava existir traços de talento para as artes plásticas. Foi o caso do menino Kilso, por ela adotado e da Madalena Santos Reinbolt, que foi sua cozinheira na casa da Samambaia e acabou tendo seu talento reconhecido por críticos de arte do nível da Lélia Coelho Frota, que elevou suas humildes tapeçarias à categoria de obra de arte.

A afetividade que lhe faltou na infância e na adolescência ela multiplicou na idade adulta, distribuindo perdulariamente entre todos aqueles que lhe apresentavam trabalhos na esperança de obter algum auxilio que lhe pudesse desenvolver dotes para seguir o seu talento artístico.

Sua ligação com Elizabeth Bishop talvez tenha sido estruturada por estes traços afetivos, fragmentados em suas respectivas formações.

Não quero falar em sua morte. Li, junto com Laura, a carta que ela escreveu se despedindo dos moradores daquela casa, a Samambaia-de-Baixo, único lar que ela conhecera em vida, onde foi acolhida com carinho, com amor e com respeito, sentimentos que até então desconhecera de sua própria gente.

Mas o essencial permaneceu. Lota construiu seu próprio monumento que é o Parque do Flamengo e hoje motivo de orgulho dos moradores e visitantes do Rio de Janeiro. Toda vez que por ali passo, agradeço ao talento e à perseverança dessa mulher, tão frágil de aparência, mas dotada de uma gigantesca determinação e incomensurável talento e indiscutível espírito público. Idealizou um Rio de Janeiro mais belo e mais humano e perpetuou-se através seu sonho.


Maiza Salgado