App

Baixe grátis o app na Google Play ou na Apple Store



Castelo São Manuel - Correias

O Castelo São Manoel foi construído na área até então ocupada pela sede da Fazenda Olaria, fundada no século XVIII e que pertencia ao Padre Correia.

No começo do século XX, Oscar de Teffé, descendente direto do Barão de Teffé - irmão de Nair de Teffé, demoliu o que restava da antiga casa colonial da fazenda e construiu o Castelo São Manoel em estilo inglês. A família esmerou-se na decoração, adquirindo móveis antigos e valiosos objetos de arte, mas não se sabe por que não usufruiu por muito tempo do Castelo.

Na década de 1920, a propriedade foi vendida à Companhia Brasileira Cinematográfica pertencente a Francisco Serrador, empresário espanhol do ramo de entretenimento, dono de hotéis, cassinos, teatros e cinemas em várias cidades brasileiras. Precursor do Cinema Brasil, Serrador tinha o projeto de ali instalar uma cidade cinematográfica, uma Hollywood brasileira. Mas, por falta de patrocinadores, o projeto fracassou. Nessa ocasião, foram realizados alguns filmes no local, com destaque para Argila do consagrado diretor Humberto Mauro. Tempos depois surgiu o projeto de um loteamento com ruas e praça para o local.

Finalmente a área foi vendida à Companhia Organização Sociedade Anônima, pertencente ao banqueiro Silverio Ceglia, que havia emigrado ainda jovem para tentar a vida no Brasil. Com luta, determinação e trabalho ele tornou-se banqueiro e, na década de 1940, destacou-se como um grande mecenas. Doou várias peças de arte de grande vulto para o MASP em São Paulo e colaborou com a inauguração do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Depois de tomar posse da propriedade, o empresário teve uma surpresa ao descobrir no interior do Castelo a imagem de Nossa Senhora de Copacabana, trazida de Copacabana, cidade porto da Bolivia, capital de Manco Cápac, às margens do Lago Titicaca.

A imagem, réplica da Virgem Milagrosa, fora trazida por mercadores peruano-bolivianos para o Rio de Janeiro pouco antes de 1.600 e em sua homenagem o bairro passou a se chamar Copacabana. Para abrigar a Virgem, foi construída uma capela nas rochas do Arpoador, onde ela permaneceu por muitos anos. Em 1916, quando a capela foi demolida a imagem foi confiada à família Teffé, que a conservou no Castelo São Manoel.

Depois de quase meio século, e graças a Silverio Ceglia, a imagem pôde retornar ao Rio de Janeiro, mais precisamente ao bairro que a recebera originalmente. Em 1953, foi construída uma igrejinha junto ao Forte de Copacabana para que a Santa pudesse vir de Correias.

Em 9 de dezembro de 1953, diretores da OSA - Organização Sociedade Anônima entregaram a imagem ao Excelentíssimo General Osvino Ferreira Alves, em cerimônia que contou com a presença de figuras ilustres como o Brigadeiro Eduardo Gomes e os Generais Henrique Lott, Souza Dantas e Juarez Távora, além de representantes das classes eclesiásticas, de militares e de figuras conhecidas da sociedade carioca.

A preciosa imagem desfilou pela Avenida Atlântica até o Forte de Copacabana e o povo acompanhou emocionado em concorrida procissão a chegada da virgem milagrosa. Na década de 1970, com o alargamento da Avenida Atlântica, a imagem foi levada para a Matriz de Nossa Senhora de Copacabana, onde permanece até hoje.

O Castelo São Manuel sobreviveu aos muitos projetos idealizados para a área e mantém suas características externas bem conservadas. Hoje ainda é usado para produções de filmes e de novelas e seriados da Globo. Lá foram realizados, entre outras produções, o seriado O quinto dos Infernos e a novela Eterna Magia.


Celina Prates